Releases

Naturalle Day na UBL

O caminho do leite da fazenda até a caixinha. Esse percurso foi demonstrado a 15 mulheres de Curitiba que possuem páginas na internet para abordar temas como saúde, alimentação, maternidade e qualidade de vida.  Durante o Naturalle Day, evento que aconteceu na última quinta-feira, 30 de março, em Castro-PR, as blogueiras tiveram a oportunidade de conhecer a indústria e uma fazenda produtora de leite, e acompanhar, junto a cooperadas, esposas e filhas de cooperados Castrolanda, a palestra da pediatra e consultora do Programa Bem Estar da Rede Globo, Ana Escobar.

Naturalle- A visita na indústria iniciou com um bate papo de apresentação da empresa e dos produtos. Como o nome do evento já diz, Egídio Maffei, gerente comercial, e Rogério Wolf, coordenador de comercialização da área de lácteos, falaram principalmente sobre a linha de leite UHT Naturalle e seu diferencial, o único leite no mercado brasileiro que não contém aditivos.

Os aditivos, estabilizantes autorizados por lei, são acrescentados ao leite para proteger a sua proteína para passar pelo processo térmico de aquecimento a 140 °C. Esse processo esteriliza e elimina todos os microorganismos patogênicos ou não patogênicos. E porque o Naturalle não precisa de estabilizantes?

Wolf explica que a qualidade do leite produzido na região é de qualidade superior e a bacia é densa, com captação de muito leite num raio de quilometragem muito próxima, o que permite o envaze do Naturalle em menos de dez horas. “No Naturalle o ingrediente é apenas leite integral. Só é possível porque o leite chega rápido à fábrica e a proteína não tem tempo de ser agredida por bactérias. Ela chega forte no processo e aguenta passar pelo processo térmico a 140 °C sem adição de estabilizantes”, relata o coordenador.

Além disso, o Naturalle tem outro diferencial que é a sua composição. Wolf conta que o leite sai da vaca com teor médio de gordura de 3,4 a 3,5. Segundo o coordenador, a legislação permite que a indústria retire pequena parte, deixe com 3%, e chame de integral, o que ocorre com os demais leites UHTs. “No caso do Naturalle não. A mesma composição da origem, como vem da vaca está na caixa. A ausência do estabilizante torna o leite mais encorpado e saboroso e quem tem o hábito de consumir leite percebe isso”, frisa.

Consumo de leite e derivados- “Porque devemos consumir leite? É algo óbvio, mas às vezes, esquecemos. O leite é o único alimento que podemos consumir desde o momento que nascemos, no primeiro dia de vida, e que a gente pode ingerir com segurança e tranquilidade até o ultimo dia de vida, todos os dias da nossa vida”.

A frase acima foi dita pela Dra. Ana Escobar durante palestra que abordou o tema “saúde e alimentação, porque devemos consumir leite e derivados?”. A médica esclareceu mitos sobre o leite e falou sobre as diferenças entre a intolerância a lactose e a alergia a proteína do leite. Segundo Ana, antes de um ano o ideal é a amamentação materna e a utilização de fórmulas infantis a base de leite de vaca. Após o primeiro ano de vida a doutora é categórica: o leite de vaca integral pode e deve ser consumido por todos, pois o alimento fornece nutrientes essenciais para todas as idades, como cálcio, proteínas e carboidratos e é fundamental para saúde dos ossos, dentes e músculos. “Para a maioria das pessoas, ingerir dois copos por dia de leite mais derivados é perfeito, para os adolescentes um pouco mais”, concluiu.

Antes da palestra, o presidente da Castrolanda, Frans Borg, agradeceu a iniciativa da cadeia do leite em realizar um evento para defender o produto que é o pão de cada dia dos municípios dos Campos Gerais.  A veterinária e idealizadora do Programa Beba Mais leite, Flávia Fontes, também falou neste momento. Flávia contou que o programa surgiu da necessidade de trazer informações sérias e baseadas em estudos, para incentivar o consumo de leite, alimento completo e a melhor fonte de cálcio.

Produção na fazenda- O passeio das blogueiras em Castro encerrou com visita a Fazenda Arms Genética, do produtor e cooperado Castrolanda, Armando Rabbers. Na propriedade funciona, desde 2012, o primeiro sistema robotizado de ordenha no Brasil. Neste sistema a vaca é ordenhada na hora em que ela sente necessidade e se dirige ao robô que funciona 24 horas por dia.

Todo o processo é feito de modo automático, desde o reconhecimento do animal, em virtude de chip que o acompanha em um colar, como a limpeza dos tetos e a ordenha. Rabbers possui 140 animais em lactação, com uma média de produção de 37 l/dia por vaca e 5.100 l/dia da propriedade toda.

Experiência- Ao final do dia, o grupo retornou a Curitiba. O que ficou de ensinamento? Stephanie Andrade criou o blog Gravidicas durante a gestação da primeira filha, que hoje tem 4 anos e sete meses, e está em sua segunda gravidez. A blogueira conta que em sua casa o consumo de leite já é um hábito, cerca de um litro por dia, e que agora sente ainda mais segurança em indicar e oferecer para suas filhas.

“Agora sei e tenho certeza que é algo super seguro e que faz bem para a saúde. A visita foi muito importante para ter ainda mais conhecimento e pegar mais amor pelo leite. O legal é ir ao mercado agora, olhar a marca e saber que é muito bem feito, que tem todo cuidado tanto na fazenda quanto na indústria”, declara.

A mãe Momielle Zavadzki não deixou escapar a oportunidade da visita. Momielle segue o blog MaternidadenaReall, de Claudia Queiros, que sorteou duas vagas para o evento, e foi contemplada. O que chamou sua atenção foi a chance de adquirir conhecimento sobre a qualidade do leite. “Escutamos falar tanta coisa sobre a caixinha do leite e, como tenho duas filhas pequenas, fico meio insegura. Aprendi muitas coisas hoje e como já consumo muito leite, provavelmente agora, vou consumir mais ainda”, assegura.